terça-feira, 3 de maio de 2011



Ficar bem nem sempre deixa outras opções. É estranho quando as coisas simplesmente têm de terminar. É o estágio onde todos os sentimentos já evoluíram para um nada. É o nada que você optou para parar de sentir dor. No início você briga, chora, faz drama mexicano. Então percebe que é cansativo demais manter esse jeito de levar as coisas. Acostuma-se... Não que pare de doer, mas que cai no seu entendimento que às vezes perdemos algo e não há solução. No fim você coloca um sorriso no rosto e finge que é sincero, até que a vida o faça realmente ser. Talvez os amores eternos sejam amenos e os intensos, passageiros.

Caio Fernando Abreu

Um comentário:

  1. Mi Maia,grata surpresa encontrar sua poesia,adorando ler,também sou poeta,e identifiquei-me com seus escritos,afinal falar de amor é tudo,com suas amenidades ou fugacidade,amor é amor e atemporal. Abraço.

    ResponderExcluir